Olho e meio

Um blogue de pequenas causas.


Âncoras:

Azimute:

Este blogue é da res­pon­sa­bi­li­da­de de um lis­bo­e­ta com fre­quên­cia uni­ver­si­tá­ria (Bio­lo­gia), ex­‑jor­na­lis­ta actu­al­men­te tra­ba­lhan­do na área in­for­má­ti­ca.

Isto e tudo o mais ou será ób­vio, ou irre­le­van­te. (Vd. ma­ni­fes­to.)

Agremiação:

IBSN: 6546-3-6946-1
6546-3-6946-1

Blogopedia

Amigos:

As grandes causas:

Álbum:

Avulsos:

Altar:

Locations of visitors to this page
www.flickr.com
This is a Flickr badge showing public photos and videos from Tuválkin. Make your own badge here.

Apoios e patrocínios:

Powered by 
Blogger Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com Dúvidas esclarecidas por 
Index D O T HTML & CSS Feito com EditPad Classic Feito com Unired Feito com BabelMap ClustrMaps

Anúncios:

starships-rpg.com

Assuntos:

blogagem (25)

Ambiente (10)

Ciência (15)

Computadores (28)

Geografia (11)

Humor (20)

Jornalismo (22)

Política (32)

Língua(s) (20)

Urbanismo e transportes (24)

outros (25)

Arquivos

A 2005-08-30

# A água é mole, e o fogo dura…

Já sabíamos: Não é com água que se apagam fogos florestais.

Etiquetas:

às 20:34, por Zarolho

# Moinhos de vento

© Reclamos Vitória © TMK - TopMarketing

Ontem, o suplemento de Economia do Diário de Notícias dizia que a publicidade outdoor é o “meio” que traz mais “retorno”.

Espera­‑se pois um proliferar ainda mais anárquico e inestético de cartazes, tapumes, mupis, telas de fachada e demais mamarrachos alienando o “target” da paisagem natural e construída.

© AIC © Reclamos Vitória

Mas o que preocupa o sensível paisagista Pacheco Pereira são os aerogeradores, essa tenebrosa ameaça…

(Ah, não fosse este um blogue de pequenas causas e muito se poderia escrever sobre rivalidades na “família” laranja, sobre Carlos Pimenta e as eólicas, (por comparação) sobre José Sócrates e as águas empresarializadas, e citar, escavando mesmo fundo, algum escrito de Pacheco Pereira, em fase maoista, elogiando as barbaridades paisagísticas e ambientais perpetradas na sua China “Popular”. Mas não temos tempo…)

Etiquetas:

às 20:13, por Zarolho

A 2005-08-29

# Alien vs. Predador

(Sim, este filme já é velhinho, mas ando a desenterrar uns resmungos antigos. Nunca é tarde demais para dizer mal.)

Um filme péssimo — provavelmente o cúmulo corrente do défice entre recursos investidos e oportunidades perdidas!

  • Epá, pois que fizessem um filme com piscadelas de olho anacrónicas a ambas as séries, OK.
  • Que fizessem um pastiche de arqueo­‑deuses astronautas, olha que original, mas tá bem.
  • Que fizessem um filme de acção, com malta sem gorro a −40°C, se é mesmo preciso…
  • Que fizessem, enfim, mais um filme a dizer «ora cá está uma guerra entre maus e péssimos, temos de escolher um lado», já nem protesto…

Mas noite perene na ilha de Bouvet em Outubro?! Para quê?!…

A latitude de 54° confere a este local um regime circadiano idêntico ao de Dublin, Irkutsk ou Edmonton; a noite de duas semanas pós­‑solestício dura 14 horas, sobram 10 horas de Sol.

O resmungo original incluía a queixa que o filme mostra a Lua a pique (em 4 de Outubro, na ilha de Bouvet). Ora a inclinação da órbita da Lua é 5° e a latitude de Bouvet é 54°; num determinado ano (que o filme não refere) a Lua poderia de facto apresentar­‑se a uma altitude de até 80°. Vale sempre a pena usar a cabeça!

às 17:15, por Zarolho

# O Pêndulo de Foucault

Confesso que resisti durante anos a ler este livro, por medo de o meu idolatrado Eco se revelar um bacoco pós­‑moderno, ludita e dado a devaneios “para anormais”…

Mas claro que não é, e o livro desmascara com finíssima ironia patranhas várias, desde as vanity presses à amnésia crónica do misticismo da moda.

Mas não é que continuo a ver o Pêndulo de Foucault anunciado, e comentado por recém­‑leitores, como um fascinante relato de um universo paralelo, um olhar da história e do mundo que nos leva a pôr em causa a leitura “fria” e “limitada” da ciência “ortodoxa”?…

Está tudo doido, ou sou só eu?

às 15:16, por Zarolho

A 2005-08-26

# Escasso e rudimentar

Sabe bem variar e poder concordar, por poucas vezes como esta, com Pacheco Pereira — que afirma necessário:

… rever de vez o uso arqueológico dos mapas nos noticiários, um bom exemplo do desleixo das redacções na utilização de tecnologias mais que disponíveis. Os mapas que aparecem nas notícias para além de muito escassos, — mapear informação sobre incêndios é um upgrade importante no conteúdo informativo – são rudimentares, e imprecisos. Acaso a sobreposição sobre esses mapas de figurinhas com chamas por cima das capitais de distrito é informação?

Acrescento aos noticiários das T.V.s também os jornais, revistas (nomeadamente as de temáticas mais “geográficas”) e certamente os livros, mormente os de História e Geografia, no quais a escassez de material cartográfico é agravada pela paupérrima qualidade desse mesmo pouco.

Aproveito para fazer a devida vénia a Luís Nuno Espinha da Silveira, pelo excelente recurso que é o seu trabalho pioneiro Cartografia Histórica de Portugal Continental.

às 12:30, por Zarolho

A 2005-08-24

# Incêndios

Já está tudo dito. Mas cito e repito: Aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Etiquetas:

às 12:46, por Zarolho

A 2005-08-23

# Linha truncada

A Carris, transportadora urbana rodoviária de Lisboa, anda a renovar os mapas da rede que disponibiliza aos utentes em algumas das suas paragens. O novo mapa está datado de Junho de 2005, mas continua a não incluir as estações de Metro de Alfornelos e Amadora Este, inauguradas em Maio de 2004…

Adenda:

  • Não garanto que o diagrama da rede datado de Junho de 2005 afixado nas paragens seja o mesmo que está disponível no sítio da Carris.
  • Não se trata de uma questão de territorialidade concelhia, já que a estação de Odivelas (inaugurada em Março de 2004) se encontra representada.
  • Também num mapa disponibilizado no sítio do Metropolitano de Lisboa, a Pontinha é apresentada como a última estação da Linha Azul (ver imagem)…

Ver também:

às 17:31, por Zarolho

A 2005-08-22

# E este, não acaba?

Tronchuda © Sementes Feltrin

Por falta da habitual folha-de-couve e da res­pec­tiva esco­lha beta, com­prei on­tem o Sema­ná­rio, para col­ma­tar a neces­si­dade com­pul­siva de lei­tura em lon­ga via­gem de autocarro.

Pois mais valia ler reclamos ou gra­fi­tos, de tão ras­tei­ro o ní­vel jor­na­lís­tico dessa pub­li­ca­ção: Gra­fismo, orto­gra­fia, abordagem, redac­ção, esti­lo, do­cu­men­ta­ção — não tem pon­ta por onde se pegue.

(Há porém que reconhecer que o site é bas­tan­te bom, tec­ni­ca­mente falando.)

às 18:45, por Zarolho

A 2005-08-18

# Algumas diferenças

Enquanto se discute a “des­co­lo­ni­za­ção” de Gaza, neste mo­men­to a atra­ves­sar mo­men­tos de­ci­si­vos, con­vi­do­‑vos a abrir um olho e meio e tem­pe­rar as vos­sas vi­sões do as­sun­to (se­jam elas quais fo­rem) com o fac­to tri­vi­al que aqui abai­xo ilus­tro, apon­do lado­‑a­‑lado dois ma­pas sen­si­vel­men­te à mes­ma escala:

Gaza Aljezur

Faixa de Gaza (Palestina/Israel) e Concelho de Al­je­zur (Portugal), res­pec­ti­va­men­te 360 km² para 1 376 289 hab. e 324 km² para 5282 hab.

às 23:55, por Zarolho

Arquivos

Abordagens


© Olho e Meio